Coluna Diamante

Extensão do Jornal Delfos-CE: http://jornaldelfos.blogspot.com.br/
O nome Diamante é por conta do primeiro livro impresso no mundo, o Diamante-Sutra, sem o qual não existiria a impressão como a conhecemos hoje em dia.

quinta-feira, 30 de abril de 2015

PROFESSOR MÁRCIO LEVOU UM TIRO NO OLHO NO PARANÁ

PROFESSOR MÁRCIO LEVOU UM TIRO NO OLHO NO PARANÁ
Por: Marcos Antonio (no Facebook)

Vejam isso e compartilhem o máximo que puderem!!! Este é o professor Márcio que leciona Geografia aqui em Londrina e acabou sofrendo um tiro no olho agora pouco por conta de uma polícia despreparada e inconsequente a mando de um governo INSANO, DESESPERADO, DESONESTO, BANDIDO, AUTORITÁRIO e COVARDE!! 

A inversão de valores deixou nossa sociedade de cabeça para baixo onde, professores como nós que ensinamos os filhos dos policiais e de toda a sociedade somos tratados como bandidos, e enquanto isso um governador bandido, deputados oportunistas e bandidos, um judiciário comprado como uma prostituta são os donos do poder!! 

Aonde fomos parar? Que sociedade queremos para nossos filhos? Reflitam sobre isso e nunca mais votem nestes bandidos do PSDB... 

Todo o apoio ao meu colega e companheiro de profissão, o professor Márcio!! 

Que a sociedade e a população nos ajude e se sensibilizem com O SANGUE DERRAMADO pelos trabalhadores da educação e servidores públicos que só querem manter seus direitos intocados, sem nenhum privilégio como os políticos bandidos do Paraná!! 

Abaixo, outros educadores e servidores feridos pela BARBÁRIE e pela EXTREMA COVARDIA.Não há mais adjetivos para se denominar um como este do Paraná. Só acreditamos no que está ocorrendo porque estamos vivenciando estes absurdos!!
________________________________________
Richa e deputados assinam com o sangue dos professores confisco da previdência 
Por: Neto Rodrigues (no Facebook)

Uma cena de guerra e barbárie. É o que posso descrever sobre hoje, no Centro Cívico, em Curitiba. Sem razão aparente, a Tropa de Choque iniciou um ataque aos professores, lançando bombas de efeito moral e soltando cães das raças Rotweiler e Pitbull contra a imprensa, professores e servidores. Houve muita correria e pânico, eram muitos homens. a Tropa de Choque do Bope desceu primeiro, todos de preto, batendo cassetetes contra os escudos, e disparando bombas. A segunda leva de PMs atirava com balas de borracha e a cada passo o que se via eram mais e mais professores caindo pelo chão. A Tropa de Choque agiu com extrema violência e os manifestantes correram para se proteger, um desespero total, homens e mulheres por todos os lados, em fuga, tentando ainda ajudar outras pessoas que já estavam gravemente feridas A polícia não deu trégua, o professor que aparece na foto, identificado como Marcio Henrique, diziam no atendimento, no ambulatório do TJ-PR, é de Londrina, e junto com ele haviam outros dois feridos. A princípio foi ferido por um tiro no olho.

De acordo com dados do Samu, liberados próximo das 17h, oito pessoas ficaram feridas gravemente e outras 150 sofreram algum tipo de ferimento, mas estes números devem subir. É um momento triste para a história do Paraná, novamente os professores são espancados na Praça Nossa Senhora de Salete. O deputado e presidente da ALEP Ademar Traiano disse no meio da confusão que o que estava acontecendo na rua era problema da segurança pública. Os deputados da base do governador como Guto Silva, Paulo Litro, Cantora Mara Lima, Francischini Junior e demais seguiram votando o projeto e não atenderam os apelos de outros deputados de ao menos suspender a votação naquele momento.

Lá fora, uma praça de guerra que chegou a afetar até mesmo as crianças. A creche que fica próximo ao Centro Cívico foi evacuada porque os alunos inalaram gás de pimenta. O mesmo aconteceu no prédio da prefeitura, onde servidores foram retirados por medidas de segurança. Dentro da Assembleia os deputados se recusaram a suspender a votação e, respaldados por Beto Richa que enviou a ordem ao comando da PM para que o confronto fosse iniciado e os manifestantes retirados do local, seguiram com o trabalho da pauta. Uma cena de horror, um dos piores momentos da história do Paraná.
______________________________________________________



“Aêê!”, “É isso aí!”, comemoram membros do governo ao ver a PM atacando manifestantes no Paraná
abril 30, 2015 09:10



Veja também

Blogueiro recebeu de um funcionário do alto escalão do governo tucano um vídeo em que é possível ouvir, de dentro do Palácio Iguaçu, o que seria a voz do governador Beto Richa (PSDB) e seus assessores comemorando toda vez que a PM jogava uma bomba contra os manifestantes; confira

Por Redação (Revista Fórum)

O cerco da Polícia Militar paranaense que deixou centenas de manifestantes feridos na tarde desta quarta-feira (29) parece ter sido muito comemorado pelo governador Beto Richa (PSDB) e seus assessores. Um vídeo mostra que, da sacada do Palácio Iguaçu, membros do governo assistiam à PM massacrando as pessoas que protestavam em frente à Assembleia Legislativa e gostavam quando havia truculência.

“Aêê!”, “É isso aí!”, “Isso”, “Ihh”, diziam as vozes que pareciam ser de Richa e seus assessores, todas as vezes em que a PM lançava uma bomba ou um jato de gás.

A gravação foi obtida com exclusividade pelo blogueiro Esmael Moraes, que recebeu o conteúdo de um funcionário do alto escalão do Palácio.

Por conta do cenário de guerra, até o prefeito de Curitiba chegou a apelar para que o governador ordenasse o fim da repressão.

“Faço um apelo ao governador, Secretaria de Estado da Segurança Pública e Assembleia. Por favor, o momento é de pacificar. Já temos muitos feridos aqui”, disse Gustavo Fruet (PDT).

Ao todo, mais de duzentas pessoas ficaram feridas e até dezessete policiais que se recusaram a participar do cerco foram presos.

Os manifestantes estavam na rua para protestar contra a votação de um projeto de lei do governador Richa que altera a previdência dos funcionários públicos.

Foto: reprodução/Facebook
______________________________________________________

Por:Valdir Cruz

Revolta nos quarteis da Polícia Militar, em Curitiba. De soldados rasos a oficiais, ninguém está aceitando a ordem do governador Beto Richa e do secretário de Segurança Pública, Fernando Francischini. Eles querem porque querem que a PM monte partir da tarde deste sábado (25) um cordão de isolamento com mais de mil soldados no Centro Cívico. Esta barreira deve ser mantida, ininterruptamente, 24 horas por dia, até a quinta-feira, 30. Os policiais alegam que a PM não tem efetivo para isso. E caso o governador não recue da ordem, que consideram “estapafúrdia”, fazem um alerta público à população da Capital: “A cidade ficará entregue aos bandidos durante cinco dias”.

Cerco da Assembleia: Richa retira PMs das ruas e do atendimento à população para dar segurança aos deputados, e causa revolta na caserna.

A ordem de Beto Richa para cercar a Assembleia Legislativa é uma medida desesperada de um governador impopular. É um gesto autoritário que causa revolta em todos os paranaenses. O cerco visa impedir que o povo, principalmente os funcionários públicos, possam acompanhar, no Centro Cívico, a votação do confisco do dinheiro que garante a aposentadoria dos servidores do Estado. A votação, em regime de urgência, está prevista para se realizar na sessão de quarta-feira, 29, que começa às 14h30. O governo quer, a todo custo, evitar a invasão do plenário do Legislativo, como ocorreu em fevereiro último. Richa pretende usar o dinheiro das aposentadorias para pagar as dívidas do governo, que ele mesmo fez.

Mas o custo do cerco à Assembleia é altíssimo. E pode ser ainda mais desgastante para Richa e seus aliados com a revolta da PM, que também tem interesse que o fundo de previdência não seja confiscado. Se a cidade ficar entregue aos bandidos, uma onda de crimes pode pôr tudo a perder, já que a impopularidade do governador irá às alturas e, deputado que tenha um mínimo de juízo, não irá avalizar esta operação, que só tem paralelo na ditadura militar.

Cidade entregue aos bandidos

A revolta na PM começa a ganhar voz. Um oficial já alertou: “Não temos estrutura para manter um cerco prolongado no Centro Cívico e o policiamento rotineiro na cidade ao mesmo tempo”. Isso significa que o soldado que estará no cerco é o mesmo que deixará de fazer o patrulhamento nas ruas, é o mesmo que deixará de combater a ação dos bandidos, é o mesmo que deixará de socorrer vítimas de acidentes, é o mesmo garante a segurança das nossas famílias nas unidades do Paraná-Seguro.

No último cerco à Assembleia, em fevereiro, policiais militares já tinham se mostrado revoltados. Alguns deram entrevistas denunciando a completa falta de estrutura e organização do cerco. Muitos policiais trabalharam mais de 24 horas seguidas sem descanso, ficaram sem refeições e sem água. E agora, com mais de cinco dias seguidos de tocaia, a PM vai ter efetivo para garantir escalas? Vai ter recursos para assegurar a alimentação e hidratação dos soldados que estarão no cerco?

Está claro que se o governador e seus assessores tivessem um pingo de responsabilidade, já deveriam ter desistido, há tempos, desta operação para salvar o caixa do Estado. O desgaste e os riscos de violência são enormes e duradouros, ainda mais com a PM dando sinais claros de revolta. Temos, agora, nova greve dos professores, que poderá durar meses, inviabilizando o ano letivo, causando sangria no que resta de prestígio a Richa e aos deputados aliados e provocando um drama social incalculável para as milhares de famílias que têm filhos nas escolas públicas.

Isso sem contar que usar a PM para fazer um jogo político é algo muito nefasto. Algo que ocorreu pela última vez em 25 de abril de 1984, quando o Congresso Nacional foi cercado por tropas do Exército. O cerco permitiu que os deputados da base de apoio à ditadura rejeitassem a Emenda Dante de Oliveira, que garantia a volta da das eleições diretas para presidente da República. O desgaste do último ditador, o general João Baptista Figueiredo, foi tanto, que aquela demostração extemporânea de força jogou a derradeira pá de cal no reinado dos militares.

Agora, em 2015, Beto Richa contraria frontalmente o pai, José Richa. Em 1984, o Paraná era governado por José Richa, um dos principais avalistas das diretas-já. Democrata de todas as horas, José Richa foi radicalmente contra o cerco do Congresso, medida que hoje o filho usa, a despeito da história do pai, para impor goela a baixo em todos os paranaenses um confisco tão odioso quanto foi a rejeição das diretas-já. Daí, não é de se admirar a revolta que ganha força nas ruas e que começa a chegar aos quartéis.
_________________________________________________________________________________


Antônio More/Gazeta do Povo
Policiais militares estavam na frente da Assembleia Legislativa na tarde deste sábado
PACOTAÇO FISCAL

Governo convoca mais de mil policiais para cercar Centro Cívico

Presença da PM tenta garantir que deputados votem projetos durante a próxima semana 
mesmo sob pressão de servidores

25/04/2015 
12h13 
Euclides Lucas Garcia, Diego Ribeiro, Rogerio Waldrigues Galindo e Rodrigo Batista
Atualizado em 25/04/2015 às 17h13

A Polícia Militar do Paraná começou a cercar a Assembleia Legislativa com um cordão de isolamento no início da tarde deste sábado (25). O objetivo é garantir a votação de dois projetos do programa de ajuste fiscal no Legislativo nesta semana. O tamanho da área isolada e a distribuição dos policiais ainda estavam sendo definidos entre os comandantes da operação, mas pode chegar a quatro quadras ao redor do prédio da Assembleia e do Palácio Iguaçu.
Professores da rede estadual decidem retomar greve na segunda-feira

Em assembleia realizada na manhã deste sábado (25) em Londrina, os professores da rede estadual de ensino decidiram retomar a greve, por discordarem da proposta do governo que reformula a previdência estadual. A decisão vale a partir de segunda-feira (27), e a expectativa é que 50 mil servidores venham do interior para Curitiba durante a semana.Leia a matéria completa

A intenção do Executivo, que alega cumprir uma decisão judicial, é isolar o Centro Cívico até quinta-feira (30), quando as propostas já tiverem sido aprovadas. Um interdito proibitório foi deferido pelo juíz Eduardo Lourenço Bana, do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), no qual o magistrado assegura o uso da força policial em caso de descumprimento da decisão, que impede nova ocupação da Alep por funcionários públicos. Se houver nova ocupação, os servidores terão que pagar multa diária de R$ 100 mil e a decisão judicial será convertida em reintegração de posse.
Servidores da saúde podem entrar em greve no PR

Contra mudanças na ParanaPrevidencia, os funcionários da saúde farão assembleia na terça-feira (28). Possibilidade de greve, segundo sindicato, é grandeLeia a matéria completa

Sem contar com agentes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), a Secretaria da Segurança Pública (Sesp) vai empregar quase 900 policiais por dia, conforme a escala de trabalho à qual a reportagem teve acesso. O efetivo é praticamente o dobro do aplicado em Curitiba diariamente.

Foram convocados policiais de todos os batalhões da capital e de alguns da região metropolitana [12.º, 13.º, 17.º, 20.º, 22.º e 23.º]. O regimento de polícia montada, Patrulha Escolar, ajudantes de ordem que trabalham na segurança de autoridades, alunos da Academia do Guatupê, policiais da Força Ambiental e do Departamento de Apoio Logístico da PM também participarão. Estão previstos ainda agentes da Ronda Ostensiva Tático Motorizadas (Rotam) .Antônio More/Gazeta do PovoForam convocados policiais de todos os batalhões da capital , inclusive policias da Força Ambiental

As equipes foram divididas em cinco, chamadas de A, B, C, D e E na escala. Cada equipe tem 225, 224, 217, 225 e 229 policiais, respectivamente. No total, serão 1.120 policiais, diariamente, em quatro turnos. Eles se apresentaram na antiga sede da Companhia Independente do Palácio Iguaçu, em frente à Sesp. Um oficial ouvido pela reportagem, que preferiu não se identificar, classificou a escala como insana. “É muito maior do que o aplicado na cidade diariamente.” Ele afirmou ainda que esse policiamento escancara a decisão política e não técnica para definir a estratégia da ação. “Dentro de qualquer doutrina da segurança, quem está no teatro de operações políticas não pode decidir como vai atuar a polícia. A pessoa jamais pode estar envolvida emocionalmente no fato.”

Por meio da assessoria, o governo do estado informou que recebeu um pedido de reforço de segurança da Presidência da Assembleia e determinou à Sesp que atendesse à reivindicação. O objetivo é impedir a repetição das cenas de invasão do plenário e o cerceamento do funcionamento democrático do Legislativo.

Sobre a operação policial a partir da semana que vem, a Polícia Militar, por meio da assessoria de imprensa, informou que não haverá isolamento de quadras ou policiamento ostensivo, mas haverá um contingente considerável de policiais em condições de ser empregado a qualquer momento se houver necessidade. O emprego das tropas, segundo a assessoria, será feito de acordo com as decisões do comando do policiamento.Rodrigo Batista/Gazeta do PovoPoliciais chegam ao Centro Cívico para iniciar cerco à Assembleia e ao Palácio Iguaçu.
Ocupação

Na primeira tentativa de votação do “pacotaço“, em fevereiro, o plenário da Assembleia foi tomado por servidores, que permaneceram lá por três dias. Sem ter como voltar ao plenário, os deputados tentaram fazer a votação no restaurante da Casa. Mas, novamente, os manifestantes tomaram a Assembleia – com receio de um confronto mais grave, a sessão foi suspensa e o governo retirou as propostas. O Legislativo, porém, já tem em mãos uma liminar judicial para evitar que a ocupação ocorra novamente, com multa diária estipulada em R$ 100 mil aos sindicatos em caso de descumprimento.

Os dois projetos são reformulações das versões originais. Um deles prevê várias medidas, como o refinanciamento de dívidas de ICMS e a venda delas no mercado financeiro. O outro é o que muda a forma de pagar inativos da Paranaprevidência, transferindo o pagamento mensal de 33,5 mil aposentados acima de 73 anos para o Fundo Previdenciário. A migração fará com que o Executivo não precise pagar esses benefícios com dinheiro do tesouro. A economia do governo será de R$ 1,5 bilhão ao ano.

______________________________________________________

http://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/governo-convoca-mais-de-mil-policiais-para-cercar-centro-civico-ci4hpnatnxho0uonhdiu9zz78

http://www.blogdovaldircruz.com.br/2015/04/25/revolta-na-pm/

https://www.facebook.com/groups/139811212885344/

http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/04/aee-e-isso-ai-comemoram-membros-do-governo-ao-ver-a-pm-atacando-manifestantes-no-parana/

https://www.facebook.com/elias.esser/videos/vb.100000151498508/1044203678928005/?type=2&theater


https://www.facebook.com/photo.php?fbid=439521616225846&set=a.103081246536553.6314.100005040332535&type=1