Coluna Diamante

Extensão do Jornal Delfos-CE: http://jornaldelfos.blogspot.com.br/
O nome Diamante é por conta do primeiro livro impresso no mundo, o Diamante-Sutra, sem o qual não existiria a impressão como a conhecemos hoje em dia.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

BRASÍLIA SE TORNOU VERSÃO TROPICAL DE JOGOS VORAZES



(Charge de Paixão, na Gazeta do Povo)

Há consenso entre os juristas de cepa democrática que o pedido de impeachment aceito [no dia 2] pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), carece de elementos que o justifique. Ou seja, o processo iniciou-se como produto de uma chantagem e é esta a percepção da sociedade brasileira. Portanto, não há crime cometido pela presidente Dilma Rousseff (PT).

O aceite de Cunha foi comemorado pelos deputados de oposição, principalmente os do PSDB e DEM, que de forma oportunista condenam Dilma, mas ‘momentaneamente’ absolvem o presidente da Câmara.

O diabo é que Dilma está sendo caçada – vítima de tentativa de cassação agora — desde o fim da eleição de 2014, quando Aécio Neves (PSDB-MG) voltou atrás do reconhecimento da derrota que sofreu nas urnas. Aí não teve mais trégua na campanha de desconstrução da imagem da petista.

O bando que se reuniu pela destituição é o salvo-conduto que protegerá o mandato da presidente Dilma Rousseff. Portanto, ela tem uma oportunidade de ouro para dar um “cavalo de pau” no governo e na economia, bem como isolar os golpistas de plantão.

Dilma tem mais sorte que juízo porque a oposição que defende o impeachment é muito desmoralizada no sentido de desprovimento de moral ética. Quando a sociedade for convidada a comparar o que está em jogo, necessariamente, a presidente sairá fortalecida dessa inquisição que tem apoio de setores da velha mídia.

A burrada do pedido de impedimento possibilitará ao PT reagrupar a dispersada tropa. Também reposiciona politicamente a própria presidente: “Não possuo conta no exterior, nunca coagi instituições ou pessoas, nunca escondi dinheiro. Meu passado e presente atestam meu respeito à lei e à coisa pública”, disse ela ontem em pronunciamento.

Os aliados mais consequentes que estavam dispersos, igualmente, formam “linha” em defesa da Constituição e da democracia. Outros mais próximos, como o senador Roberto Requião (PMDB-PR), atuam na frente política desqualificando os oposicionistas chamando-os de “porras-loucas”.

PT, Dilma e Lula ganharam uma nova chance para “zerar” o placar e relançarem-se politicamente com vistas a 2018. Resta saber se terão maturidade e inteligência suficientes para atravessar esse Rubicão.

________________________________________

Abertura de impeachment aumenta chance de Dilma ficar, diz 'Economist'


Image copyrightAg Brasil
Image captionPresidente Dilma e o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, em reunião de coordenação política um dia após o acolhimento do pedido de impeachment


O início do processo de impeachment de Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados pode, ironicamente, aumentar as chances de sobrevivência política da presidente até 2018, avalia a revista britânica The Economist.

Com dois textos dedicados ao novo capítulo da crise política brasileira, a edição da revista que chega às bancas nesta sexta-feira criticou o acolhimento do pedido de impeachment pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).


"A ação de Cunha é falha e ameaça apenas afundar o Brasil ainda mais na lama", afirmou a publicação, em referência a reportagem de fevereiro em que citava o "lamaçal" econômico e político no país.

Embora faça críticas a Dilma - citada como "a presidente mais impopular e ineficaz da história moderna brasileira" - , a revista conclui que o "tempo trabalha a favor" da petista, já que o gesto de Cunha "parece um ato de vingança" diante do cerco que o deputado enfrenta na Operação Lava Jato.

O deputado está entre os cerca de 40 políticos com foro privilegiado investigados por suspeita de participação no escândalo de corrupção na Petrobras. O Ministério Público Federal descobriu contas não declaradas do peemedebista na Suíça, que teriam sido abastecidas com dinheiro desviado da estatal. Cunha nega corrupção e diz que não tinha controle sobre as contas, que seriam apenas usadas para planejamento sucessório e educação dos filhos.

"Cunha pode ser facilmente visto como agindo em interesse próprio do que um homem de Estado, colocando uma interrogação sobre toda a confusão. O PT tende a cerrar fileiras em apoio à presidente, e Dilma sem dúvida será mais firme do que nunca em não renunciar, como alguns na oposição esperavam", diz o texto intitulado "Dilma's Disasters" (Os Desastres de Dilma).
Cenários possíveis

Na avaliação da Economist, a oposição não tem hoje os 342 votos (entre 512) necessários na Câmara para derrubar Dilma, mas o quadro pode mudar se surgirem provas contra a presidente na investigação da Petrobras.

A publicação responsabiliza a presidente pelo "desastre econômico" no país, que associa a "políticas fiscais e monetárias irresponsáveis e ao incessante intervencionismo microeconômico" do primeiro mandato (2010-2014), mas diz que ela "merecia mais alguns meses para tentar retomar as rédeas" da economia.

Image copyrightAg Brasil
Image captionO deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na sessão em que leu o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff

"Se ela falhasse, aí haveria um motivo forte para convencê-la a renunciar pelo bem do país", afirma a revista. "Ao atacar cedo demais e com os motivos mais inconvincentes, Cunha talvez tenha dado sobrevida maior a uma presidente fraca e destrutiva."

Sobre os motivos citados por Cunha para acolher o pedido - sobretudo a abertura por Dilma, em 2015, de créditos suplementares em desacordo com a Lei Orçamentária -, a revista diz que a presidente "não seria a primeira a adulterar contas públicas", mas lembra que a gestão da petista foi a primeira a ter contas rejeitadas por órgão de controle (Tribunal de Contas da União).

"É tudo o que o Brasil precisava. Com um enorme escândalo de corrupção a todo vapor, economia em queda livre, finanças públicas em frangalhos - e uma classe política que age em causa própria e sem intenção de enfrentar nenhum desses problemas - o país agora foi servido com uma crise constitucional", diz a publicação.
2015 e 1992

Ao comparar a situação de Dilma com a do ex-presidente Fernando Collor de Mello, que sofreu um processo de impeachment em 1992, a revista aponta três semelhanças: a falta de habilidade para lidar com um quadro político fragmentado, a baixa popularidade e a economia em baixa.

Por outro lado, diz a Economist, a presidente não é acusada de enriquecimento ilícito e mantém o apoio de seu partido. "E talvez o mais importante: há pouca evidência de que a oposição queira assumir a bagunça das mãos de Dilma. Preferiria vê-la sofrer e obter uma vitória fácil na próxima eleição em 2018."
"Infelizmente, o furor irá deslocar a atenção já dispersa dos políticos brasileiros das soluções para os muitos problemas do país, a começar pelo déficit crescente no Orçamento. A História poderá julgar esse como o maior pecado de Cunha."
_________________________________________
'Brasília se tornou versão tropical de Jogos Vorazes', diz 'FT'

Image copyrightReutersImage captionArtigo assinado por editor de América Latina de jornal britânico citou 'razões políticas' para abertura de processo de impeachment

Em meio aos novos desdobramentos da crise política no Brasil, o jornal britânico Financial Times definiu a capital federal, Brasília, como uma "versão tropical dos Jogos Vorazes", em alusão à série de filmes homônima em que os person agem lutam por sobrevivência.

Segundo o jornalista e editor de América Latina do diário, Jean Paul Rathbone, que assina o artigo, publicado na versão eletrônica do diário, os políticos brasileiros "estão agora mais preocupados em salvar as suas próprias peles do que lidar com uma preocupação mais premente: a economia", escreveu ele.

Na terça-feira, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, a soma dos bens e serviços produzidos pelo país, recuou 1,7% no terceiro trimestre de 2015, o pior para o período desde o início da série histórica, em 1996. Como o resultado, a economia brasileira permanece em recessão (quando há dois trimestres consecutivos de queda).

Rathbone citou "razões políticas" para a abertura do processo de impeachment contra Dilma, diante da escalada de tensão entre o governo e o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

"A razão imediata para o possível impeachment é a acusação de que seu governo maquiou as contas públicas (as chamadas "pedaladas fiscais") – um assunto técnico. Mas a razão para que o processo do impeachment tenha sido lançado agora é puramente política", escreve Rathbone.

"Hábil operador dos bastidores, Cunha esperava que o governo do PT apoiasse sua causa e o protegeria. Quando esse apoio não veio, ele iniciou o processo de impeachment. A oposição, farejando sangue, aderiu ao pleito", acrescenta.

'Ainda pode piorar'

Em meio à crise política e econômica, o jornalista destacou também que a situação do Brasil "ainda pode piorar".

"A economia está sofrendo sua pior recessão desde 1930. O Congresso está fortemente afetado pela chamada operação Lava Jato que investiga o escândalo de corrupção na Petrobras ─ e um senador (Delcídio Amaral) foi preso na semana passada. E agora foram abertos os procedimentos para dar início ao impeachment da presidente, Dilma Rousseff. Pode ficar pior? A resposta curta é: sim".

Segundo Rathbone, contudo, o "fim de Dilma" não é "iminente".

"O processo de impeachment é longo, sinuoso e altamente legalista; é pouco provável que ele comece devidamente antes de fevereiro. Enquanto isso, Cunha pode perder seu cargo – nesse caso o processo pode ser interrompido. Além disso, mais políticos podem cair devido a acusações de corrupção. Isso pode mudar o equilíbrio de votos e o poder no Congresso de maneiras incontáveis".

O jornalista britânico também diz acreditar que a operação Lava Jato, que investiga o esquema de desvio de verbas na Petrobras, deve gerar benefícios a longo prazo para o Brasil.

"O destemor com que figuras anteriormente intocáveis foram sabatinadas ou mesmo derrubadas por juízes independentes é notável. Certamente, trata-se de um esboço que contrasta com a forma como a corrupção é enfrentada em outros países do Bric".

"A longo prazo, isso vai melhorar a governança no Brasil ─ uma coisa boa. No curto prazo, porém, os custos são imensos".

Fontes: