Coluna Diamante

Extensão do Jornal Delfos-CE: http://jornaldelfos.blogspot.com.br/
O nome Diamante é por conta do primeiro livro impresso no mundo, o Diamante-Sutra, sem o qual não existiria a impressão como a conhecemos hoje em dia.

domingo, 2 de julho de 2017

Entre violas e cartolas, o Brasil que se repete, por Fernando Horta

Entre violas e cartolas, o Brasil que se repete,

E não se pense que tudo isto aí é novo.

Enquanto hoje discutimos se brancos podem compor e cantar samba (que Noel Rosa não nos ouça), na década de 20, 30 e 40 o Brasil era sim dividido. Claramente, claramente dividido.

Quem usava cartola era cartola, quem tocava viola que usasse panamá.

O "malandro" (que era diferente do “mané”) era quem precisava da picardia para dobrar a lei e viver no seu limite. Fazendo isto, equiparava-se um pouco com quem tinha a lei sempre ao seu lado. O mané era aquele que nem tinha a lei por si (por sobrenome, cor ou posses), nem tinha a esperteza para viver com garbo à margem dela.

Uma sociedade dividida em cartolas, malandros e manés. Naquela época, a estética, a retórica e a geografia eram sinceras. Os três grupos tinham seus nichos próprios. Os encontros eram fortuitos, raros. O malandro e o mané se encontravam no lusco-fusco do final do dia quando um retornava da "labuta" e o outro ia para a "cantoria". Nos bondes, nas estações ou nos bares que se encontravam os brasis. O mané e o cartola também se viam pouco. Os cartolas nunca gostaram de se dar a conhecer. A geografia ajudava, colocando os brasis em distância urbana regulamentar.

O malandro e o cartola, estes viviam às turras. Existia o encontro moral mediado pelo samba e o físico mediado pela polícia. Enquanto o primeiro machucava os cartolas, o segundo os malandros. Ambos os encontros passaram para a posteridade, mas acho que o samba atingiu o mundo num grau de contemplação maior do que a violência da polícia atinge os brasis não cartolares, até hoje.

Sempre, portanto, se soube que a polícia era dos cartolas. Nunca foi segredo que os juízes também. Apenas que, naquele tempo, os sambas eram mais verdadeiros e as decisões judiciais menos cínicas. Até hoje, se estudam os sambas para conhecer a sociedade e os registros policiais e decisões jurídicas para se evidenciar as diferenciações sociais. A História não se engana e costuma não exigir algo de quem não pode dar.

O terrível dos tempos atuais é que o samba foi deslocado pelos chamados "ritmos comerciais". Perdeu-se o intérprete-mor da sociedade, cujos versos eram quase fotografias dos tempos. O patrulhamento dos cartolas é tão grande que quando surgem pensadores nestes novos ritmos, a denunciar a sociedade, são imediatamente perseguidos aos gritos de "manipulação ideológica". Como se algo no mundo não fosse ou pudesse não ser. Os cartolas acusam, a bem da verdade, a força do samba. Sabem que um gênio com uma viola faz sentir a realidade. Mesmo para aqueles que padecem de muita realidade, tanta que lhes amortece os sentidos.

Talvez aqui esteja o motivo do atual ataque à cultura, ao carnaval, à História. Todas formas epidérmicas de contar o mundo e os tempos. Todas com meios quase invisíveis de tocar as almas. Os cartolas nunca gostaram de violas ou livros. E isto diz muita coisa. Desde o poema musicado ou o pensamento prensado, todos falam de um mundo que é até um mundo que poderia ser. E nada mais perigoso para a realidade do que o sonho. Nada mais perigoso para uma cartola do que a descrição nua e crua do que ela é.

Também as estéticas se confundem. Ninguém mais usa cartola. Mas os cartolas se certificaram que muitos usassem gravatas. E hoje é difícil discernir as italianas feitas à mão das compradas na banca da praça. As cartolas guardavam uma sinceridade que os cartolas não. As gravatas são mais discretas, fugidias. O uso da gravata é como a invenção das S.A. (sociedades anônimas), não se sabe mais de onde vem o tapa da tal "mão invisível". Alguns manés (até por serem manés) ostentam orgulhosos as gravatas. Até lutam para usá-las. Queriam estar usando, na verdade, as cartolas. Mas isto jamais conseguirão. As violas se aprendem a tocar, as cartolas não. E sempre tem a caixinha de fósforo como remédio ao excesso de realidade e alguma falta de talento.

Bom que hoje temos juízes menos capazes do que outrora. Diminuiu a vontade de se parecer legal. A empolação das citações latinas ou o formalismo do "the rule of law" jogavam um papel importante. Do hermetismo. Inaudita altera partis, os juízes falavam para si. Havia, contudo, que colocar uma frase afirmativa que contivesse o que os cartolas queriam ouvir. "Pelo exposto, (que ninguém mais precisa entender) torno sem efeito decisão anterior contra o nobre senador". É tudo o que realmente se importa dizer. Se o é por um garantismo oportunista ou por um estrabismo político, pouco interessa.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

REPRESSÃO POLICIAL EM SÃO PAULO DURANTE A GREVE GERAL


REPRESSÃO POLICIAL EM SÃO PAULO DURANTE A GREVE GERAL

Segundo a página "Sâmia Bomfim", com imagens de Pedro Maia Veiga, no FacebookPolícia Militar reprimiu manifestantes em frente à Prefeitura de São Paulo-SP com bombas de gás e prendeu uma mulher foi presa.

Ateu Poeta 
Historiador e Presidente do Jornal Delfos
30/06/2017
Fonte: 
https://www.facebook.com/pmveiga?fref=mentions
https://www.facebook.com/samia.bomfim.psol/?pnref=story

O PERAÇÃO "FANTASMA": 8 VEREADORES PRESOS E 32 CONDUÇÕES COERCITIVAS NA CIDADE DE ITAREMA-CEARÁ

OPERAÇÃO "FANTASMA":

8 VEREADORES PRESOS E 32 CONDUÇÕES COERCITIVAS NA CIDADE DE ITAREMA-CEARÁ

2ª fase de OPERAÇÃO "FANTASMA", a 1ª fase se deu em abril, prendeu 8 vereadores, fez 32 conduções coercitivas e cumpriu e 19 mandados de busca e apreensão.

Há suspeita de haver pelo menos 20 funcionários fantasmas em Itarema-CE. Os crimes citados foram: estelionato, falsificação de documentos particulares, falsidade ideológica e peculato.


Os vereadores presos são:  João Vildes da Silveira, Magno César Gomes Vasconcelos, Leandro Oliveira Couto, José Ubideci dos Santos Santana, João Gomes da Costa, Daniela Souza de Matos, Roberto Diniz Costa e José Everardo Marques Alves.

Também foi presa Maria José Carneiro Rios, diretora de Recursos Humanos da Câmara de Itarema-CE.

A operação é do Ministério Publico do Estado do Ceará (MPCE), e se cumpriu por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco), Com o apoio da Coordenadoria de Operações da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), que se deu por meio da Polícia Civil.

De acordo com o Ministério Público, na Câmara dos Vereadores existe um esquema criminoso para a contratação de funcionários fantasmas, usando laranjas

O início da operação se deu por causa de uma denúncia de uma pessoa que estava sendo usada como laranja e descobriu por acaso ao buscar um benefício da previdência. 

A pessoa em questão descobriu que seu nome era utilizado como um dos funcionários fantasma da Câmara de vereadores Itarema-CE e fez uma denúncia.

A partir de então foi criada a OPERAÇÃO "FANTASMA", com a primeira fase realizada em abril de 2017 e a 2º se deu com um comboio no dia 28 de junho de 2017.

Ateu Poeta
Historiador e Presidente do Jornal Delfos-CE
30/06/2017
Fonte: 

https://tianguagora.blogspot.com.br/

http://g1.globo.com/ceara/noticia/vereadores-que-nao-foram-presos-em-itarema-terao-que-convocar-suplentes-e-eleger-nova-mesa-diretora.ghtml

http://www.reporterceara.com.br/operacao-fantasma-vereadores-que-nao-foram-presos-em-itarema-devem-agilizar-convocacao-de-suplentes-para-eleger-nova-mesa-diretora/

http://g1.globo.com/ceara/noticia/oito-vereadores-de-itarema-no-ceara-sao-presos-suspeitos-de-contratar-funcionarios-fantasmas.ghtml

http://tvdiario.verdesmares.com.br/videos/detalhes-de-videos/jornal-do-meio-dia-operacao-fantasma-oito-vereadores-de-itarema-sao-presos-por-irregularidades-1.1779236

terça-feira, 20 de junho de 2017

REFORMA TRABALHISTA, NÃO!

https://colunadiamante.blogspot.com.br/2017/06/reforma-trabalhista-nao.html
REFORMA TRABALHISTA, NÃO!


A Deforma Trabalhista não passou neste dia 20/06/2017, mas ainda seguirá para a Comissão de Constituição e Justiça. Já é uma derrota do Desgoverno Golpista, mas, assim como outras vezes, é preciso ter cuidado com as manobras de Jucá e outros. 

Por enquanto, é um fôlego ainda para os trabalhadores do Brasil, agora vamos torcer para que o Temer seja preso e o Aécio Neves também. 

Este Desgoverno não ter governabilidade, e sim Golpibilidade. É mais importante do que nunca agora que todo "Fora Temer" se transforme em "#TemerNaCadeia" e "#AécioNaCadeia".

Aproveitando a deixa, o ministro Fachin teria retirado de Sérgio Moro ações sobre Lula, Dilma e Marcelo Odebrecht, repetindo o que fizera Teori Zavascki. Estamos na torcida por mais vitórias em favor do nosso Brasil já tão calejado de tantos golpes e mais golpes. 

Confiram isto nos links em anexo no Blog #Coluna_Diamante :do G1 e do #Esmael_Morais.


Ateu Poeta, O Historiador de Pacoti
Presidente do Jornal Delfos-CE
Fontes: 

quarta-feira, 14 de junho de 2017

ENTREVISTA COM ADRIAN'DOS DELIMA

ENTREVISTA COM ADRIAN' DOS DELIMA

Adrian'dos Delima é um poeta e tradutor natural da cidade Canoas-Rio Grande do Sul, nascido em 1970 e politicamente engajado.

Ateu Poeta: 1:_Você decidiu virar escritor, ou isso foi acontecendo na sua vida? Conte porque você se dedica à Literatura.

Adrian'dos Delima:_ Não me considero primeiramente um escritor e, sim, um poeta. Vejo uma não tão sutil diferença entre estas duas categorias. Vejo a poesia como uma ate à parte, aproximada da música e das artes plásticas, que eram os meus maiores interesses quando comecei a escrever poesia. No entanto, não decidi de uma vez só me tornar um poeta. Comecei a produzir poesia por necessidade de expressão e, escrevia somente para mim. A poesia era uma espécie de auto-análise. 

No entanto, por uma tendência natural minha, fui aproximando minha poesia de auto-análise e expressão das artes visuais e da música, fui lendo muita poesia e copiando e misturando o estilo de vários poetas. Faltava dar o passo da comunicação, e acho que só atingi uma escrita mais comunicativa definitivamente quando comecei a publicar na internet e em livros

Acho que, aí, deixei de ser um artista individualista e me tornei algo mais próximo do que se pode chamar de um poeta-escritor. Acho o elemento comunicação essencial para qualificar um literato como escritor. 

O escritor busca representar uma voz coletiva. O mero literato espera que o acaso o transforme em uma voz interessante para outros corações e mentes.


Ateu Poeta: 2:_Você acredita que os artistas devem ser engajados? E por quê?

Adrian'dos Delima:_ Não acho que um artista necessite ser, diretamente, engajado. Acho que todo ser humano deve, sim, ser político. Todo ser humano tem demandas com a sociedade. Por isso, mesmo ao se expressar ou auto-analisar, a dimensão política da sociedade acabará se manifestando

O nosso atrito com a sociedade, com as políticas públicas ou individuais. Por exemplo: queremos falar do mar e de sua beleza; isto é arte pela arte. Mas vemos muito lixo boiando no mar. Ao nos referirmos a ele, estaremos fazendo política, falando das políticas de cada ser humano que opta por sujar a praia e das políticas públicas que optam por não limpar a praia nem trazer consciência ecológica ao eleitorado porque, talvez, existam assuntos mais urgentes para os administradores, legisladores, magistrados, etc. Acredito que o artista é, naturalmente, engajado.


Ateu Poeta: 3:_Desde quando você começou a traduzir poesias de esquerda para o Inglês e por qual razão?

Adrian'dos Delima:_Não considero que eu traduza “poesias de esquerda”. Traduzo poesia engajada para o Inglês e também para o Espanhol, mas que se enquadrem num espectro político dito “progressista”. 

Traduzo textos que manifestem um desejo de justiça social e democracia. Mesmo que um desejo de justiça social e democracia num sentido radical, podendo ser qualificado como um desejo ou ideal de esquerda. 

Primeiramente, eu traduzia poemas de vanguarda, ou de invenção, principalmente de meia dúzia de línguas para o Português. 

Com o acontecimento do fraudulento impeachment da presidente do Brasil, Dilma Rousseff, em 2016, eu passei a enxergar uma séria ameaça aos avanços sociais dos últimos anos no Brasil. Esta temática passou a absorver em absoluto o meu interesse durante um certo tempo, e passei a buscar poemas que falassem desta ameaça para traduzir ao Inglês e ao Espanhol, a fim de divulgar e denunciar para o mundo os retrocessos que vinham ocorrendo no nosso País.

Ateu Poeta: 4: _Deixe um conselho para novos escritores que sonham em publicar alguma coisa e deixe algum contato para as pessoas que desejam comprar o seu livro.

Adrian'dos Delima:_ Para escritores em geral eu não teria um conselho, mas posso passar alguma experiência para poetas iniciantes

O mercado editorial para poesia quase inexiste no Brasil. Se isto causa algum desalento, por outro lado, nos dá uma liberdade imensa. Não temos editores para “podar” o que escrevemos dizendo “isto vende ou não vende”. 

Podemos dizer o que queremos, mesmo que precisemos pagar pela nossa publicação. Então, nunca se preocupe em agradar um público qualquer, ao menos enquanto você não tem um público específico. Quando você tiver um público mais ou menos definido, pode pensar em se autocensurar. 

Mesmo assim, restará a liberdade ante aos editores. É isso. Se alguém tiver interesse nos meus livros “Consubstantdjetivos comuns” ou “O aqui fora olholhante”, pode me contatar através do e-mail poetargs@bol.com.br ou do Facebook Adriano Do Carmo Lima ou Adrian’dos Delima.

Ateu Poeta
(Historiador)
Entrevista via Facebook em 14/06/2017


Anexo: 
Blog Partido do Ritmo:


quarta-feira, 3 de maio de 2017

CARIMBA QUE É PLÁGIO: PREFEITURA DE PACOTI-CE PAGOU MAIS DE 5 MIL REAIS POR PLÁGIO DA MARCA DO DIOGO NOGUEIRA

CARIMBA QUE É PLÁGIO: PREFEITURA DE PACOTI-CE PAGOU MAIS DE 5 MIL REAIS POR PLÁGIO DA MARCA DO DIOGO NOGUEIRA

Conforme denunciado por Aldeni Marinho, no Facebook, com prints da marca do Diogo Nogueira, da marca atual da Gestão de Pacoti e do site de prestação de contas da própria Prefeitura Municipal de Pacoti, existe a comprovação de que houve serviço contratado pelo valor de R$5.827 (cinco mil oitocentos e vinte sete reais) para a criação de uma logomarca que plagiou a logomarca do cantor e Diogo Nogueira, que apresenta o programa "Samba na Gamboa" na TV Brasil.

A denúncia segue compartilhada na página " Últimas Notícias Pacoti" e por outros cidadãos de Pacoti preocupados com tamanha gastança e despreparo do atual prefeito, Kiko Sampaio (PV), que no decorrer de 2017 já começou sua gestão decretando estado de emergência, pela qual pagará uma multa ao usar o dinheiro para fazer o carnaval, já tentou demolir o Hospital Padre Quiliano, segundo denúncias de cidadãos, sob a desculpa de reformar, ação que foi impedida pelo Promotor de Justiça, o senhor João. O prefeito em questão também fechou a Biblioteca Municipal Franciné Batista e a escola Enéas Hortêncio, a respeito desta há uma e ainda pretende mudar o local do Festival de Quadrilhas de Pacoti, todos esses feitos nocivos vêm alertando inclusive pessoas que votaram no atual prefeito que até se voltaram contra ele por causa dessas e outras ações que só prejudicam a cidade de Pacoti.

E acima de tudo, pagar por um plágio, um valor exorbitante destes ainda, é inadmissível!

Ateu Poeta
Historiador e Presidente do Jornal Delfos-CE
03/05/2017


Fonte: 


sábado, 22 de abril de 2017

LIBERDADE! LIBERDADE! ABRE AS ASAS SOBRE NÓS, DAS LUTAS NA TEMPESTADE DÁ QUE OUÇAMOS TUA VOZ...

https://colunadiamante.blogspot.com.br/2017/04/liberdade-liberdade-abre-as-asas-sobre.html LIBERDADE! LIBERDADE! ABRE AS ASAS SOBRE NÓS, DAS LUTAS NA TEMPESTADE DÁ QUE OUÇAMOS TUA VOZ...

Por: Daniel Edson


Você que foi minerador, comerciante e dentista,
Você que foi militar e ativista político nas capitanias de Minas Gerais/Rio de Janeiro.

Você que sonhou liberdade, e amando de verdade esta terra morreu como inconfidente. 

Você que foi humilhado, 
Você que teve a residência salgada, foi odiado e tratado com punição exemplar. 

Você que desafiou a coroa, o império, a opressão lusa. 
Você... 

Você que foi um herói, abriu alas, nos legou um exemplo de bravura e evidenciou quão cara pode nos custar a liberdade. Liberdade está hoje tão esquecida, transformada em libertinagem para rebeldes sem causa, bandeira ou mesmo doutrina. 

QUE ESTE DIA NÃO SEJA APENAS UM MOMENTO DE DESCANSO E LAZER, MAS SIM NOS FAÇA REFLETIR SOBRE A ETERNA LUTA QUE DEVEMOS TRAVAR CONTRA A INJUSTIÇA E A EXPLORAÇÃO DO BRASILEIRO (sempre vítima do arbítrio dos poderosos, das ingerências dos governantes e em muita das vezes do esquecimento de seus heróis).

Segue abaixo parte da sentença cuja leitura perdurou por 18 (dezoito) horas, antes da consumação da sentença de enforcamento e esquartejamento:

“JUSTIÇA que a Rainha Nossa Senhora manda fazer a este infame Réu Joaquim José da Silva Xavier pelo horroroso crime de rebelião e alta traição de que se constituiu chefe, e cabeça na Capitania de Minas Gerais, com a mais escandalosa temeridade contra a Real Soberana e Suprema Autoridade da mesma Senhora, que Deus guarde.

MANDA que com baraço e pregão seja levado pelas ruas públicas desta Cidade ao lugar da forca e nela morra morte natural para sempre e que separada a cabeça do corpo seja levada à Vila Rica, donde será conservada em poste alto junto ao lugar da sua habitação, até que o tempo a consuma; que seu corpo seja dividido em quartos e pregados em iguais postes pela estrada de Minas nos lugares mais públicos, principalmente no da Varginha e Sebollas; que a casa da sua habitação seja arrasada, e salgada e no meio de suas ruínas levantado um padrão em que se conserve para a posteridade a memória de tão abominável Réu, e delito e que ficando infame para seus filhos, e netos lhe sejam confiscados seus bens para a Coroa e Câmara Real. 

Rio de Janeiro, 21 de abril de 1792, Eu, o desembargador Francisco Luiz Álvares da Rocha, Escrivão da Comissão que o escrevi. Sebão. Xer. de Vaslos. Cout.”

 «Sentença de Tiradentes». Boletim da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. n. 53. Rio de Janeiro. 18 de abril de 2008.
---------------------------------------------------------------------------------